Guia rápido sobre Ransomware: o sequestro de dados e por que as empresas estão em risco?

Quando se trata de segurança cibernética, empresas de todos os tamanhos e segmentos precisam lidar com um desafio comum: a abundância e gravidade dos ataques de ransomware.

Cada vez mais usado por cibercriminosos, esse tipo de malware pode paralisar toda uma empresa e até mesmo levá-la à falência, tanto pela indisponibilidade dos dados, quanto pela perda de credibilidade e oportunidades de negócio.

Um levantamento da Sophos, empresa britânica de cibersegurança,  feito com 5.400 organizações de 27 países, revelou que, em 2021, 37% das empresas entrevistadas foram vítimas de ataques ransomware.

No Brasil, o custo médio da recuperação após ataque, considerando pagamento de resgate, custo de manutenção, tempo fora do ar, oportunidades perdidas, etc. ficou avaliado em 820 mil dólares.

Considerando que grande parte das empresas não possuem capital para sobreviver a tamanho impacto financeiro, a melhor saída para lidar com o ransomware é tomar as medidas certas para se proteger.

Para isso, é fundamental conhecer bem o inimigo. Pensando nisso, elaboramos esse guia com os principais pontos que você precisa conhecer sobre o ransomware.

O que é o ransomware?

Um ransomware é um subconjunto de malware que, quando infecta um computador, impede que os usuários acessem o sistema ou seus arquivos. 

Então, um resgate é exigido pelos cibercriminosos para desbloquear o acesso. Por isso, essa prática criminosa é conhecida como sequestro de dados.

Como funciona o ransomware?

Em geral, o funcionamento do ransomware pode ser detalhado em cinco etapas:

  • Primeiro, o sistema de computador da vítima é comprometido pelo malware, geralmente, por meio de um link malicioso, conhecido como Phising, ou anexo “contaminado”. O usuário é induzido a baixar o arquivo, muitas vezes por meio de técnicas de engenharia social.
  • Em uma segunda etapa, o malware assume o controle do sistema. Vários tipos de arquivos são criptografados e o usuário não pode mais acessá-los. É preciso ter ciência que o ransomware pode se espalhar pela rede da empresa e contaminar todo o banco de dados de uma organização.
  • Depois da criptografia, a vítima é informada, geralmente por uma notificação na tela, de que foi afetada pelo ransomware e que deve pagar um resgate para recuperar o acesso ao sistema. O processo para pagar o resgate é detalhado.
  • A última etapa consiste no pagamento do resgate pela vítima e, teoricamente, na recuperação do acesso ao sistema, por meio do fornecimento de uma chave de descriptografia.

Como lidar com os resgates?

Os incidentes de ransomware podem afetar gravemente os processos de negócios e deixar as organizações sem os dados de que precisam para operar e fornecer serviços de missão crítica.

Diante desse cenário, as empresas devem ter cautela na decisão de pagar ou não pelo resgate. Isso porque, em termos concretos, nada obriga os criminosos a levantar a encriptação. Há muitos relatos de empresas que não conseguiram recuperar os dados, perdendo permanentemente o valor de resgate pago e também os dados.

Segundo informações do já mencionado estudo da Sophos, dentre as empresas entrevistadas que pagaram o resgate, apenas 8% afirmaram ter recuperado integralmente os dados.

Por isso, antes de tomar qualquer decisão, alguns protocolos devem ser cumpridos, como, por exemplo:

– Notificar as autoridades sobre o ocorrido;

– Isolar os sistemas comprometidos;

-Ter cuidados com backups;

– Não reinicializar ou executar manutenções do sistema;

– Identificar o tipo de ransomwere;

Portanto, ao efetuar o pagamento de resgate as empresas estão correndo o sério risco de perder o dinheiro e ainda ter que lidar constantemente com novas demandas por parte dos cibercriminosos.

Os diferentes tipos de ransomware

Como já mencionado, o ransomware é um subconjunto de malware, o que significa que existem diferentes tipos dessa ameaça. Vale citar as três categorias principais:

  • Scareware: este é um “falso” ransomware que consiste em explorar o medo da vítima. Este é, por exemplo, um pop-up anunciando que um malware está criptografando o computador e que a única maneira de parar o processo é pagar um resgate. Contudo, nenhum arquivo é criptografado de fato.
  • Screen locker: esse tipo de ransomware pode bloquear completamente o acesso a um dispositivo, como um computador. Assim que o equipamento é ligado, uma janela é aberta em tela cheia, anunciando o bloqueio e solicitando um resgate. Em geral os dados não são comprometidos.
  • Crypto-ransomware: esse tipo de ransomware é capaz de criptografar todos os arquivos armazenados em dispositivo, rede ou servidor. Esta é a categoria mais perigosa porque não há software de segurança capaz de recuperar integralmente os dados criptografados.

O que fazer em um caso de um ataque de ransomware?

Se você estiver sendo vítima de um ataque de ransomware, deverá agir rapidamente para limitar os danos. Isso inclui:

  • Isolar dispositivos infectados e qualquer dispositivo que aja de forma suspeita, desconectando-os da Internet e de sua rede.
  • Identificar o tipo de ransomware e informar sua equipe sobre os sinais de infecção a serem procurados.
  • Investigar a origem do ataque, a fim de corrigir as vulnerabilidades e evitar novos incidentes.
  • Identificar todos os sistemas, dados e dispositivos afetados, incluindo laptops, discos rígidos externos, smartphones, pen drives e armazenamento em nuvem.
  • Restaurar os dados afetados, utilizando seus arquivos de backups.
  • Você pode precisar de ajuda profissional de uma empresa de segurança cibernética para incluir etapas adicionais, se necessário.

Como se proteger contra ransomware?

Uma infecção por ransomware pode ser catastrófica para uma empresa. Por isso, a melhor solução é prevenir do que remediar.

Existem várias precauções para se proteger contra ransomware. Em primeiro lugar, é aconselhável utilizar soluções de segurança que ofereçam proteção em tempo real, capazes de identificar ataques de dia zero e de bloquear ações suspeitas, evitando ataques bem-sucedidos.

Também é importante criar backups regulares de seus dados, utilizando estratégias eficazes que permitam a recuperação rápida e a integralidade das informações. Por exemplo, você pode utilizar o backup em nuvem para aproveitar recursos de segurança, como criptografia de alto nível ou autenticação multifator.

Certifique-se de atualizar seus sistemas e qualquer software que você utiliza. Assim que houver atualização disponível, você deve baixar e instalar.

Finalmente, para garantir uma proteção completa, você deve contar com o apoio de uma empresa especializada em segurança da informação. Com a ajuda de especialistas, você poderá mapear seus processos, identificar vulnerabilidades e implementar uma abordagem sob medida para evitar que sua empresa seja a próxima vítima de um ataque de ransomware.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o ransomware, é a hora de começar a implementar estratégias eficazes para se proteger contra essa ameaça. Fale agora mesmo com um de nossos especialistas e saiba como podemos ajudar a sua empresa!

Baixe nosso e-book e saiba mais informações sobre ransomware, sequestro de dados e o porque as empresas estão em risco, e esteja mais preparado.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.