Porque não estamos usando o Whatsapp da maneira certa do ponto de vista da segurança

< 1 Min. de leitura

Hoje, dois em cada três negócios no país já foram vítimas de ataques cibernéticos. E no período de pandemia, a movimentação criminosa mais do que dobrou, com tentativas de roubos e sequestros virtuais de dados, dinheiro e informação sigilosa.

O segundo trimestre nem terminou e os ataques já aumentaram 240% em relação aos três primeiros meses de 2020, segundo dados coletados aqui na ISH. O tema “COVID-19” presente em quase todos os casos, sendo usado como isca.

E muitos desses ataques chegam por meio de um dos aplicativos em que os brasileiros mais confiam e que está em 99% dos smartphones do país: o WhatsApp.

Pelo menos 23% dos ataques cibernéticos significativos vieram por software. E na maioria das vezes, o software escolhido pelos criminosos é o aplicativo de mensagens. O que chega por ele, as pessoas tendem a acreditar que é legítimo, já que os contatos normalmente são conhecidos.

Além disso, durante a pandemia, o WhatsApp se tornou fonte de informação. As pessoas compartilharam links de notícias, muitas vezes sem saber que o que estavam enviando para amigos e familiares era uma porta de entrada para um hacker.

Ferramentas de proteção para dispositivos móveis são importantes, porém, mais importante do que a ferramenta é a mentalidade. Não são tempos fáceis. Por isso, desconfiar de todo link que chega no celular, por mais inofensivo que pareça, é a melhor forma de prevenção.

Por: Dirceu Lippi

Compartilhar
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email